domingo, 14 de agosto de 2011

Capítulo 1 - Jeitinho Brasileiro

15 de agosto

Alunos postem comentários sobre o capítulo 1 do livro
A Cabeça do Brasileiro

Jeitinho Brasileiro


31 comentários:

  1. Nome- Bianca T Merighi 1 semestre de psicologia
    O primeiro capitulo do livro "A Cabeca do Brasileiro" faz umas comparacao da opiniao de pessoas de diferentes classes sociais, niveis de escolaridade e regioes do Brasil sobre o que pode ser considerado um favor, um jeitinho ou como corrupcao. De acordo com a pesquisa feita pode notar uma diversidade clara de opiniao sobre o tema discutido. Os individuos de classe mais baixa tendem a ter uma tolerancia maior com a corrupcao. O mesmo ocorre com as pessoas da regiao Nordeste do país. Isso é explicado no livro de acordo com o conceito que o autor denomina "core values" que serviram os valores enraizados de cada um. Quanto ao jeitinho, Almeida apurou que pessoas de menor escolaridade, da regiao Nordeste e de menor renda mensal compoe um grupo de maior aceitacao do jeitinho, muitas vezes achando que o mesmo pode ser considerado. Em suma, o autor mostra que a aceitacao a corrupcao, ou ao jeitinho, que tambem nao passa de uma forma aceita de corrupcao no Brasil, esta diretamente ligada a educacao. Ou seja quanto maior o nivel de escolaridade do individuo menor a aceitacao com atos que vao em direcao oposta a lei.

    ResponderExcluir
  2. silvia cristina de oliveira14 de agosto de 2011 12:35

    silvia cristina de oliveira 1º sem psicologia
    O libro, A cabeça do brasileiro faz se refletir o que o brasileiro pensa sobre determinadas atitudes da população,o termo "jeitinho" descrito no livro na minha opinião é o primeiro passo para à corrupção, pois se não existisse tantos "jeitinhos" não se daria um "jeitinho" para tanta corrupção na sociedade brasileira, no meu ponto de vista independente da posição social todos deveriam ter o mesmo tratamento, mas pessoas com mais poder financeiro é conhecido pela sociedade como primeiro e justamente são os mais corruptos nos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  3. NomeApós ler o capítulo 1 do livro “A cabeça do brasileiro”, o qual aborda assuntos como o favor/jeitinho/corrupção, chamo a atenção para algumas informações e dados mais relevantes. De acordo com uma pesquisa feita pela Pesquisa Social Brasileira (PESB), os habitantes da região Nordeste do Brasil tendem a considerar situações – como por exemplo, pedir a um amigo que trabalha no serviço público para ajudar a tirar um documento mais rápido do que o normal – como favor do que as pessoas que moram nas outras regiões. Há também diferenças de pensamento de acordo com a idade: os jovens consideram o jeitinho certo e os mais velhos como errado. Há ainda outro fator influenciador: o nível de escolaridade. Outro fato marcante é a argumentação de que o jeitinho possibilita a quebra das relações hierárquicas que caracterizam a sociedade, desconstruindo aquela velha frase, “você sabe com quem está falando?”. E tudo isso nos leva a pensar sobre como está a corrupção hoje em dia e a traçar estratégias para poder erradicá-la

    ResponderExcluir
  4. Alexandre Pito Giannoni/1º semestre de psicologia14 de agosto de 2011 15:00

    Primeiramente no primeiro capítulo de “A cabeça do brasileiro”, poderíamos relacionar o "jeitinho brasileiro" com a corrupção no Brasil, que hoje se tornou um sério problema em nosso país. Podemos deduzir pelo livro que quanto a maior utilização desse "jeitinho", maior é a nossa "aceitação pela corrupção, afinal dar um jeito em determinadas coisas, também pode ser interpretado como corrupção.
    Com as pesquisas no livro podemos obter um dado interessante em relação ao termo dessa "prática": O de que a maior utilização desse "jeitinho" se deve a pessoas com um nível mais elevado de escolaridade. Notamos também que os moradores que residem na capital são mais "intolerantes" com a corrupção e com o "jeitinho brasileiro" do que os que não moram na capital, deduzo que na capital eles estão mais livres de "tradições" do que os que residem em demais cidades do interior.
    Mas o importante é que conseguimos notar o "jeitinho" de diferentes formas, em diferentes classes sociais e em diferentes lugares por todo o Brasil

    ResponderExcluir
  5. Isabella Gonçalves Zerbatti – 1º semestre Psicologia14 de agosto de 2011 19:35

    Isabella Gonçalves Zerbatti – 1º semestre Psicologia
    Todos apoiamos o que é certo, porém não fazemos, e é com o jeitinho brasileiro que isso acontece.
    No primeiro momento, a corrupção estourou como uma “bomba”, mas com o passar do tempo se tornou “comum”, de modo que os brasileiros se acostumaram e se acomodaram com a situação.
    De acordo com as pesquisas, as pessoas que tendem a considerar as situações como corrupção são: as que moram na capital, os jovens, as que participam da PEA e as pessoas com alto grau de escolaridade.
    Quando tentamos classificar o “jeitinho” como certo ou errado, a população normalmente fica dividida. É desta divisão que surgem os conflitos, pois cada um tem seu modo de pensar e geralmente acredita estar correto.

    ResponderExcluir
  6. Letícia Pádua Queiróz-1°semestre de Psicologia- Lendo o primeiro capítulo pude concluir que o Jeitinho é muito importante para nossa sociedade isso é fato !Temos em mente de sempre querer e tentar fazer oque consideramos certo,sem nem mesmo termos uma certeza do que realmente é certo ou errado pois no mundo em que vivemos não nós deixa claro o que é certo ou errado.Pessoas com escolaridade mais baixa utilizam o jeitinho,e as de escolaridade mais alta usam ainda mais.Jeitinho pode ser considerado o meio termo entre favor e corrupção,Onde gera a confusão e dificuldade dos brasileiros para compreender o certo ou errado.Os jovens consideram as situações mais como corrupção do que como jeitinho, ja os mais velhos não.Pessoas que trabalham são mais intolerantes com o jeitinho do que as que não trabalham.E oque as vezes é aceitável para um nordestino um habitante de outra região ja considera errado.Metade da população considera o jeitinho errado e outra metade considera certo.Mas a população aceita muito bem que se recorra ao jeitinho.

    ResponderExcluir
  7. Letícia Pádua Queiróz-1°semestre de Psicologia- Lendo o primeiro capítulo pude concluir que o Jeitinho é muito importante para nossa sociedade isso é fato !Temos em mente de sempre querer e tentar fazer oque consideramos certo,sem nem mesmo termos uma certeza do que realmente é certo ou errado pois no mundo em que vivemos não nós deixa claro o que é certo ou errado.Pessoas com escolaridade mais baixa utilizam o jeitinho,e as de escolaridade mais alta usam ainda mais.Jeitinho pode ser considerado o meio termo entre favor e corrupção,Onde gera a confusão e dificuldade dos brasileiros para compreender o certo ou errado.Os jovens consideram as situações mais como corrupção do que como jeitinho, ja os mais velhos não.Pessoas que trabalham são mais intolerantes com o jeitinho do que as que não trabalham.E oque as vezes é aceitável para um nordestino um habitante de outra região ja considera errado.Metade da população considera o jeitinho errado e outra metade considera certo.Mas a população aceita muito bem que se recorra ao jeitinho.

    ResponderExcluir
  8. Nome:Mariana de Sena Arantes 1° semestre Psicologia

    Para nós brasileiros o jeitinho não é considerado corrupção, por isso não ficamos com a conciência pesada. O jeitinho está entre o certo e o errado, é o meio termo entre a corrupção e o que é certo.Fiquei impressionada com a pesquisa onde mostra que o jeitinho é mais pela população com maior taxa de escolaridade.Metade dos brasileiros julgam o jeitinho como certo e metade como errado, na verdade depende da circunstância.O jeitinho brasileiro é cultura no Brasil.

    ResponderExcluir
  9. Nome:Priscila Martins Cavina-1semestre-Psicologia
    A ideia entre favor/jeitinho/corrupcao tras diferencas dependendo se mora na capital ou nao, idade, participante da PEA ou nao e escolaridade.O favor è relacao entre pessoas proximas que conhecemos ou situacoes corriqueiras; o jeitinho è utilizados por todos brasileiros independentemente da classe social, ele esta enraizado na nossa sociedade, mas existem visoes diferentes em determinadas situacoes que o livro apresenta; e a corrupcao è em relacoes mais distantes, raras e no governo, depende muito das leis. De acordo que a sociedade brasileira và se 'modernizando',ou seja, se tornando menos hierarquica o 'jeitinho'vai sendo visto como errado, menos utilizado e tendo menos desigualdade.

    ResponderExcluir
  10. marcos vinicicius 1° semestre Psicologia
    Nota-se para tudo ha uma forma, seja ela certa ou errada. Um verdadeiro jogo entre amrerica do norte e sul ou um país mais desemvolbido e o outro subdesemvolvido.Varias pesquisas feita pelo o livro deixa claro nao e só o nivel de escolaridade das pessoas que eta sendo vista mais sim idade, região,cor que influência o modo de " USAR o JEITINHO BRASILEIRO" seja ela certo ou errado!(corrpção)

    ResponderExcluir
  11. Ariane de Barros Botacini 1 semestre psicologia15 de agosto de 2011 08:54

    Vivemos em uma democracia, mas uma democracia deficiente, onde o 'jeitinho' está culturalmente enraizado.
    De acordo com os dados contidos no livro,percebemos que quanto mais aceitamos o jeitinho, mais somos tolerantes a corrupção. Essa aceitação varia de acordo com a idade, a escolaridade, a região, entre outros, que é o que justifica as diferentes opiniões sobre determinadas situações serem certas ou erradas.

    ResponderExcluir
  12. Daniel Santos Braga
    O famoso "jeitinho" o qual a maioria dos brasileiro costumam a praticar, por muitos considerado uma forma de favor e por outros considerado como maneira de corrupção.
    Algo que eu achei bastante interessante no livro, é o ponto de vista do autor quando fala que "os nivéis de corrupção no Brasil provalmente estão relacionados à aceitação social do jeitinho", isso é a pura realidade. Sem perceber, praticamos o jeitinho para nos dar bem ou prover ações ao nosso favor.

    ResponderExcluir
  13. Daniela Gonzaga. - 1 semestre psicologia UFMS.

    O livro de Alberto Carlos Almeida, " A cabeça do Brasileiro" expõe de forma quantitativa e empírica através da pesquisa realizada pela PESB que cultura braileira possui elementos que nenhuma outra cultura do mundo possui. O famoso " dar um jeitinho" é uma prática social enraizada nessa sociedade, cujo perfil hierárquico demanda relações que se pode encontrar aqui. Como é o caso dos jovens que chegam a maioridade aqui no brasil, e dos que chegam a maioridade nos EUA. O modo como esses jovens engajam na vida adultada se diferencia por completo. Enquanto no Brasil, esse jovem tem a assitência dos pais, até conseguir estabilidade profissional, nos EUA, acontece extamente ao contrário. O jovem é preparado desde os seus 15 anos para sofrer esse abrupto corte com as relações familiares, de forma que o " ser idenpendente" é uma prática cultivada desde a adolescência. Outro fator interessante que o autor aborda, são as formas como os diferentes habitantes das regiões do Brasil, classificam o que é jeitinho, favor e corrupção. Enquanto os portadores de diploma universitário, moradores do Sudeste, homens, na faixa etária de 18 a 24 anos, classificam a situações como corrupção, a moradora da região nordeste, mulher, com mais de 59 anos classica essa mesma situação como jeitinho. O que podemos concluir é que quanto menos o grau de escolaridade, maior é a aceitação do famoso " jeitinho"

    ResponderExcluir
  14. Maria Fernanda Grassi15 de agosto de 2011 20:41

    O primeiro capitulo do livro nos mostra a diferença entre o favor,jeitinho e a corrupção. Conforme as pesquisas realizadas,vemos as diferenças de opiniões entre os brasileiros de classe social,idade,nível de escolaridade e regiões do Brasil. Vemos que o jeitinho está muito enraizado e difundido na sociedade brasileira. Grande parte dos conflitos que os brasileiros enfrentam esta ligado ao uso desse jeitinho brasileiro e ao seu julgamento,se certo ou errado. Poucos são os brasileiros que nunca tiraram proveito de um jeitinho e a maioria reconhece e aceita que se recorra ao jeitinho como um padrão cultural. Conclui-se então que o aumento da corrupção no Brasil esta relacionado a aceitação social do jeito.

    ResponderExcluir
  15. Carolline Maria Teixeira16 de agosto de 2011 12:52

    O que é favor, jeitinho e corrupção? São três palavrinhas que mudam de significado de pessoa para pessoa, conforme sua formação, sua idade, seu senso critico... Mas como podemos ver no texto, o jeitinho brasileiro é uma forma de quebrar regras para beneficio próprio, prejudicando ou não as demais pessoas. Se essa atitude é certa ou não vai da cabeça de cada pessoa, alguns podem achar que não é correto já outros não vêem problema nisso, mas cabe a cada um ter o bom senso e a percepção quando esse jeitinho já esta virando corrupção, pois estão muito próximos um do outro. Com as pesquisas realizadas também percebemos que na região Nordeste o jeitinho é mais aceito, assim como os mais jovens e as pessoas com um nível menor de escolaridade também tem uma fácil aceitação. Percebemos que o jeitinho já é uma cultura no nosso país, faz parte da vida dos brasileiros cabe a cada um de nós ao menos tentar mudar essa realidade, se é que isso é possível.

    ResponderExcluir
  16. Ana Carolina Marques Lima16 de agosto de 2011 21:37

    O capítulo um abrange de forma bem diversificada, através de textos, pesquisas, gráficos e comparações a relação entre favor, jeitinho e corrupção, essa relação varia de pessoa para pessoa, os fatores que interferem são a idade, o nível de escolaridade, a classe social, entre outros.
    Ele ainda nos coloca em cheque e nos faz pensar qual a nossa postura em relação a isso, somos submissos a corrupção?
    A conclusão que cheguei foi a seguinte: esses três fatores estão interligados, partindo do ponto de que a maioria das coisas começam como um favor, dependendo do contexto vira jeitinho e assim sucessivamente.
    "(...) o jeitinho é o meio termo, o caminho entre os dois extremos da classificação moral das situações."
    Precisamos, dentro da sociedade brasileira identificar com clareza o que é favor/jeitinho/corrupção para podermos combate-los e talvez nos tornamos mais igualitários, justos, mas como citei anteriormente essa relação varia de pessoa para pessoa, o que eu considero um favor para você pode ser jeitinho ou corrupção, por isso é necessário e de extrema importância darmos ênfase na ética, na moral e no bom senso nessas situações.

    (Aluna: Ana Carolina Marques Lima 1° semestre de psicologia)

    ResponderExcluir
  17. gostei muito do livro!! pricipalmente cap1 quem nunca usou o jeitinho brasileiro pelo menos uma vez na vida, ele retrata a verdadeira realidade do brasileiro ,o brasileiro sempre tem jeitinho pra tudo,principalmente quando é para beneficio proprio, quando é pra outra pessoa fica melhor como favor ,cabe a cada um refletir si é ou não corrupção.Renata Valim

    ResponderExcluir
  18. Flávia de Oliveira Paz 1° semestre Psicologia21 de agosto de 2011 11:30

    Quem nunca usou o famoso jeitinho brasileiro em algum momento de sua vida?.
    Acredito que todos nós de alguma forma já usou ou ainda usa o jeitinho brasileiro no seu dia dia voluntariamente ou involuntriamente.
    O livro aborda como o jeitinho brasileiro está tão presente em nosso dia dia. Ele mostra com gráficos a relação entre Favor, Jeitinho e Corrupção.Onde o jeitinho na maioria das situações ganha disparado nas porcentagens.
    Ao perguntar se o jeitinho é certo ou errado, metade da população considera certo e a outra metade considera errado.
    Hoje me dia os jovens consideram que o jeitinho brasileiro é certo e os mais velhos que é errado, e quanto mais elevada a escolaridade menor a tolerância em relação ao jeitinho.

    ResponderExcluir
  19. Jefferson Lack

    Capitulo I

    O primeiro capítulo do livro mostra que o jeitinho brasileiro esta difundido em nossa sociedade. E não há duvida que todo mundo em algum momento já utilizou e irá utilizar. O jeitinho brasileiro em diversos momentos é importante parra nossa sociedade, partindo do ponto de vista que entendendo o jeitinho podemos entender também o porque da dificuldade de combater a corrupção no Brasil.
    O livro brilhantemente, ao meu ponto de vista, define o jeitinho como “zona cinzenta moral”, visto que ele está entre o certo e o errado, ele é aquela desculpa que temos quando na verdade só queríamos tirar proveito próprio.
    Vê-se que o jeitinho brasileiro é uma pratica social predominante em todos os grupos e classes sociais. E ainda há muita chance que ele permaneça entre nos por muito tempo.
    Preocupante é o fato que o nível de corrupção no Brasil está relacionado ao nível de aceitação social do jeitinho brasileiro.

    ResponderExcluir
  20. Vagner Fernandes 1º semestre Psicologia21 de agosto de 2011 16:00

    O jeitinho brasileiro está presente de forma direta e indireta na sociedade do nosso país. O capítulo nos mostra como está o desenvolvimento do mesmo em relação a isso. Sempre ultrapassa os limites do aceitável, ou seja, não respeita as regras de maneira discreta. Algo não explícito. Isso ocorre com todos, sem exceção. Pórem, quem nunca usou o jeitinho?

    ResponderExcluir
  21. Pedro Henrique Galindo Capelli - 1º sem. de Psicologia.21 de agosto de 2011 17:20

    Ao Capítulo 1... trata-se de concluir o intermediário entre o certo e o errado. Talvez seja esse oconceito, ainda não tão seguro, em relaçao ao jeitinho brasileiro.
    Não tão seguro porque qualquer efiniçao fixa para um ato tao variavel para um jeitinho, que em cada caso é um caso, pode ser um equivoco. A melhor forma é demonstrar com um exemplo prático, como pedir desculpas aqui no comentario e jutificar que o atraso me meus comentarios foi por falta de acesso a internet, logo que esta é uma desculpa elborada em dias que eu resolvi dar um "jeito" para beber. Rsrs

    ResponderExcluir
  22. LUCIANO,

    Considero de extrema relevância o tema que foi discorrido através dessa obra; sobretudo no que tange à mentalidade hierarquica do povo brasileiro: de onde nasce posturas separatistas, arbitrárias e por consequência, injustas e retrógradas...

    ResponderExcluir
  23. Bianca Queiróz,
    O livro traz um tema muito interessante em relação ao jeitinho brasileiro, quem nunca usou esse jeitinho ? Mas esse jeitinho seria uma corrupção, pois quebra regras, porém os brasileiros consideram essas corrupções ''menores'' com jeitinho. Diferente de um favor, ontem não quebra regra nenhuma e não prejudica ninguem ! No livro mostra que os conceitos de jeitinho, favor e corrupção muda de pessoa pra pessoa. A escolaridade, a regioes do brasil e a idade mostra bem a variação de opinião sobre esse assunto.

    ResponderExcluir
  24. Jacqueline Silva Mascoli - 1 semestre de Psicologia28 de agosto de 2011 08:52

    O capitulo 1 do livro aborda sobre o tema "jeitinho brasileiro",que na prática, o jeitinho é uma maneira da pessoa se colocar entre o certo e o errado. Ela sabe que o que está fazendo não é moralmente correto, mas perdoa a si mesmo porque também sabe que estará saindo na vantagem...Junto ao jeitinho brasileito,associamos a palaavra "corrupçao"...talvez seja uma palavra muito forte para se comparar ao "jeitinho brasileiro",mas esse tal "jeitinho" nao deixa de ser um tipo de corrupçao,afinal ter orgulho desse ato é, sem mais, aceitar toda a situação presente que adoramos criticar.

    ResponderExcluir
  25. marina faustini rasteiro,primeiro semestre.
    o jeitinho brasileiro ja esta implantado na cultura brasileira,e o seu sentido é modificado de acordo com o interesse,grau de escolaridade,idade,entre outros fatores.o estudo mostra que quanto mais aderimos o jeitinho brasileiro,maior é a tolerancia à corrupção.

    ResponderExcluir
  26. Natália Cristina Luciano 1ºSem. de Psicologia
    Neste capítulo o autor pesquisa o abuso do poder, como as pessoas fazem uso da posição social ou de sua profissão para benefício próprio. Até onde vai a relação entre patrão e empregado e a corralação entre hierarquia e autoritarismo, quanto mais a pessoa é hierárquica é a favor do autoritarismo.

    ResponderExcluir
  27. Anna Carina de A. A. Antonio, 1°semestre de Psicologia, UFMS
    O autor nesse capítulo procura entender a percepção do brasileiro sobre o certo e o errado e tenta promover uma explicação sobre o fenômeno chamado "jeitinho" que é manifestado somente em nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  28. nesse capitulo o autor mostra como as pessoas usa de sua posição para consegui algo em beneficio propio

    ResponderExcluir
  29. O autor nesse capítulo fala sobre o Jeitinho Brasileiro e como é visto e usado nas classes sociais.“Para a população de baixa escolaridade, que apóia a quebra de regras patrocinada pelo “jeitinho brasileiro”, há também uma tendência em mostrar-se tolerante com a corrupção. Para muitas dessas pessoas, não há “esquecimento” das denúncias; elas simplesmente não são importantes.” (pág. 27)

    ResponderExcluir
  30. Dreice Kele,psicologia primeiro semestre.
    A populacao com o nivel de escolaridade superior e ate o eensino fundamental, segundo a pesquisa sao os que mais dao o jeitinho brasileiro.Pois as pessoas sem escolaridade, nao sabem o significado da palavra. a faixa da populacao de 18 a 24 anos, sao as que mais dao o jeitinho, o que acontece no Brasil e o jeitinho corrupto.De um jeitinho ou de outro, as pessoas que dao seu jeitinho estao a favor da corrupcao,e ai o que sobra para a politica..

    ResponderExcluir
  31. favor, jeitinho e corrupção são amplamente diversos e contraditórios. Deis o tipo de cultura e sociedade, faixa de idade, escolaridade, etc, tem suas opiniões daquilo que pensam. Mas nota-se que as pessoas de nivel escolar e classe economica mais alta e de faixa etária entre 18 e 45 anos tem opinioes mais complexas sobre o certo e o errado. O jeitinho e a corrupção são vistos como algo negativo diante a sociedade, mas praticadas por pessoas que apresentam cargos signitificativos perante a sociedade.

    ResponderExcluir